Caminhada por Paris

Segundo dia em Paris, chove, faz frio, depois do veranico de ontem parece que estamos no inverno novamente! Como estavamos em efeito pós viagem, cansados e semi-moídos da viagem, deixamos a chuva embalar nossa preguiça por um tempo. Tomamos o café da manhã francês do hotel, um monte de baguetes (absurdamente boas), manteiga, geléia, suco de laranja junto com a bebida de preferência, chá, café e chocolate quente. A Nanda preferiu o chocolate e eu o café, fiquei com inveja do chocolate, tava muito bom.

Primeira parada do dia foi no paraíso feminino: Sephora. Loja na Champs-Elysés lotada, em pleno domingo de manhã, cheia de mulheres comprando tudo quanto é tipo de maquiagem, perfumes, pincéis, cremes, acessórios, etc… Obviamente não saimos de mãos vazias da loja, compramos nossos perfumes favoritos e mais algumas coisas. Saímos de lá e entramos na FNAC logo ao lado, hora de Nanda virar fotografa! Depois de estudarmos as opções optamos por uma Panasonic Lumix FS35, compacta, zoom bom e mega pixels mais que suficientes!

Tivemos nosso primeiro “encontro” com a grosseria francesa, estavamos meio atrapalhado sobre qual era o local correto para fazer o tax-refund. Esperamos no balcão, mas ficamos na dúvida se não era em um outro local, fomos até lá, mas não era, quando voltamos (questão de segundos) fomos prontamente atendidos, mas o cliente grosseiro que havia acabado de chegar achou que estavamos furando a fila e falou um alto e sonoro “Merde!”. A funcionária que nos atendia ficou possesa com ele e colocou ele no seu lugar!

Aproveitamos que estavamos ao lado do Arco do Triunfo e passeamos pelo entorno dele. Como o tempo estava feio, optamos por não gastar para subir no arco. Obviamente começou a chover enquantos estamos passeando por ali. Hora de mudar de programa, próxima parada: Centre Pompidou!

Chegamos e já tinha uma fila pequena na porta do Pompidou, quando passamos pela segurança, ela havia triplicado de tamanho! Acho que todos os turistas, franceses, etc resolveram ir lá. Visitamos a exposição do François Morellet, que trabalha com luzes e a geometria. Muito legal a exposição, na outra viagem já havia visto um dos trabalhos que compunham a amostra em Nuremberg. A grande pena foi que a parte dos anos 60 até hoje em dia estava fechada, mas podemos aproveitar a grande aula de arte do período entre 1900 e 1960.

Às cinco da tarde, resolvemos que era hora de almoçar, fomos até a cafeteria do centro e deliciamos um croq mousier e uma salada do chefe. Nada como estar em Paris, qualquer local serve boas comidas. Após o “almoço”, saímos para caminhar pelo Marais, até chegarmos a Place des Voges. Incrível ver a praça com folhas nas árvores, mais incrível ainda pelo formato retangular das copas! Terminamos o passeio caminhando pelo canal que existe ao lado da Bastille.

Terminamos o dia jantando numa creperie que tem perto do hotel. O crepe de sobremesa estava muito bom!

Paris!

Depois de três anos, estou de volta a Paris. Dessa vez acompanhado pela Fernanda, minha namorada! Como é bom estar em Paris, dessa vez, o clima está diferente, não é inverno, faz calor, muito calor, as plantas estão verdes, tem flores em todos os canteiros. Mas isso é a parte boa do primeiro trecho da viagem.

Tivemos uma grande surpresa quando chegamos ao aeroporto Salgado Filho! Descobrimos que nossa passagem para o Rio, onde pegaríamos o voo da Air France, não existiam mais! Com sorte, chegamos 1h30 antes do voo. Passamos mais ou menos todo esse tempo no telefone com a agência que vendeu a passagem para resolver a situação. Segundo a funcionária da Gol, que tomou as nossas dores e realmente nos ajudou, a reserva do voo Porto Alegre – Rio tinha deixado de existir no dia 19 de março. Tempo mais que suficiente para a agência nos informar e realocar nosso voo. Mas, como se pode ver, resolvemos todos os problemas a tempo, apesar do enorme stress.

Trocamos de voo para o Rio, e com uma sorte absurda, um voo da Air France das 16h havia sido adiado para às 21h! Trocamos nosso voo das 19h, para o das 21h. Acho que a troca foi benéfica, fez um nerd muito feliz por estar voando pela primeira vez em um 747-400 (um dos meus sonhos desde criança). O voo, como é de se esperar da Air France, foi ótimo! A comida a bordo era boa, serviram Camembert da Président, nhami! Única queixa foi só servirem picolés da Kibon sabor Uva, na caixa térmica da Hägen-Däsz, baita propaganda enganosa – Nada contra a Kibon, mas…

Chegamos em Paris no tempo previsto do novo voo. O terminal novo do Charles de Gaule é bem bacana. Não sei quem é o arquiteto, mas ele usa bastante madeira, pintada com uma cor cimento, de forma que diversas vezes parece que a parede é de concreto. Resultado fica legal, e a acústica do ambiente fica excelente. Depois de fazer a imigração e já com as bagagens, sofremos para descobrir como pegar o RER que passa no aeroporto – que não está funcionando justamente neste final de semana. Quando descobrimos isso, ficamos surpresos com a eficiência da sinalização e estrutura montada para fechar uma estação de metrô por alguns dias. Haviam panfletos, banners, diversos ônibus fazendo a conexão para a estação mais próxima.

Depois de nos instalarmos no hotel, resolvemos fazer um pequeno tour a pé. Caminhamos até o Centre Pompidou, que fica à uns 10min do hotel. Depois seguimos até a Notre Dame, passando pelo Hôtel de Ville. Fomos até a ponta da Île de la Cité, haviam diversas pessoas fazendo piquenique. Uns super sofisticados, com camarões, baguetes, queijos e vinhos, já outros, eram só salgadinhos prontos e cerveja quente. Fizemos uma parada, quase que obrigatória, na Apple Store do Louvre. Aproveitamos para tomar um Caramel Machiato na Starbucks e descansar os pés um pouco. Terminamos a caminhada na L’orangerie.

Centre Pompidou

Centre Pompidou

Notre Dame

Notre Dame

Nanda na ponta da Île de la Cité

Nanda na ponta da Île de la Cité

Agora é hora de jantar!