Caminhada

Cansado de tantos museus, resolvi fazer um pausa no dia de hoje, escolhi fazer uma grande caminhada e o Hartmut também não podia me acompanhar hoje, tinha outros assuntos para tratar. Não me perguntem o quanto eu andei, só posso dizer que foi muito mais do que eu imaginava. Peguei o S-Bahn e desci na estação do Zoo, do lado da estação achei uma mala por 5€, vai ficar mais fácil carregar meus 16kg de livros!

Quase na frente da estação está a Kaiser-Wilhelm-Gedächtniskirche, antiga igreja que foi quase que totalmente destruída durante a guerra. Uma torre da igreja sobrou e é mantida como ruína até hoje, ao lado foi criado uma nova torre e uma igreja em forma de octagono. Toda a igreja é revestida com vitral azul, criando um pesado clima no interior da igreja. Na continuação do meu caminho, passaria pelo meio do bairro das embaixadas, mas como o presidente (ou whatever) de israel estava na alemanha nesse dia, todas as ruas próximas da embaixada estavam fechadas e com um forte esquema policial. Tive que contornar as embaixadas para chegar no Tiergarten, mas no caminho passei na frente da embaixada do méxico e dos países nórdicos.

O Tiergarten, como eu expliquei anteriormente, é um enorme parque no meio da cidade. Quase no meio do parque está o Siegessäule, uma enorme torre comemorativa da vitória da Prussia sobre diversos países europeus. Dá para subir na torre, mas não estava com vontade de subir escadas. Continuei minha caminhada pelo Tiergarten em direção ao Regierungsviertel, onde estão quase todos os prédios do governo alemão. Há ótimos novos prédios construidos depois que ficou decidido que a capital da alemanha reunificada seria Berlin. O prédio mais famoso é o Reichstage, reformado pelo arquiteto inglês Norman Foster, que possuiu uma enorme aboboda de vidro (recomendo a visita e é de graça, só tem que passar por uma super revista). Mas há outros dois prédios interessantes ao lado, um é do arquiteto alemão Axel Schultes (que fez o museu de Bonn).

Quase ao lado do Reichstage está a Brandenburger Tor, enorme porta que se abre para a Unter de Linden. Durante o período da DDR ninguém tinha acesso a este lugar, o muro passava exatamente ali. Do ocidente só se avistava as costas da porta. Andando uma quadra para o sul está o monumento ou memorial para os judeus mortos na guerra, mas pode ser visto como um grande jogo de curva de nível. No subsolo há um pequeno museu, que acabei não visitando, era segunda e estava fechado. Não acho que os grandes blocos de concreto escuro que formam esse lugar passem alguma idéia de “vamos pensar no que aconteceu”, mas acho eles bonitos como forma.

Andando mais duas quadras para o sul e chegamos novamente na Potsdamer Platz. Já falei sobre ela anteriormente, mas acho que esqueci de menciona que está acontecendo a Berlinale, importante festival de filmes. Não preciso dizer que o local estava semi-lotado de fãs, artistas, jornalistas, paparazzis. Na quadra mais ao sul da ‘praça’ há um prédio do Richard Rogers, mas não achei muito genial, tirando o terraço da parte de apartamentos do prédio. Como bom turista fui conhecer um shopping alemão e é igual a qualquer shopping.

No inicio da noite havia a estréia de um filme alemão na Berlinale, pude acompanhar toda a movimentação das estrelas chegando ao tapete vermelho do cinema principal do festival. Foram diversos atores e pessoas famosas da alemanha, mas como não conhecia ninguém, fiquei lá assistindo e brincando de paparazzi. Devia ter ido na noite anterior, teria encontrado a Penelope Cruz!! Mas, azar, foi divertido igual estar ali. Havia uma senhora na minha frente super animada, berrava para chamar todos os atores para perto do público. Diversas vezes ela conseguiu fazer com que um viesse dar um autógrafo para ela, eu ria as vezes das coisas que ela falava! Com minha brincadeira de paparazzi fiz mais de 100 fotos na meia hora que fiquei por ali, depois peguei o S-Bahn e voltei para casa.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *