Trem

Minha primeira viagem de trem, tá metrôs são trens também mas não conta. Antes de chegar no trem, devo contar o resto do dia e a corrida contra-relógio que eu e a Lu tivemos para chegar ao trem. Como ainda não tinhamos ido nem nas Cavas (onde se vende vinho do porto) e nem na fundação Serralves (o museu de arte contemporânea do Porto). Acordamos, tomamos café da manhã (sim, tinha café na pousada!), re-empacotamos as nossas malas, e partimos para a fundação Serralves.

Chegar na fundação é bastante simples, se os autocarros (ônibus) resolvem passar, ficamos uma meia hora esperando esse maldito ônibus passar. A fundação é num enorme terreno, que fazia parte da residência do Serralves. O prédio principal da fundação também foi projetado pelo Álvaro Siza, e foi interessante entrar em um outro museu projetado por ele. Há várias semelhanças nos acabamentos desse museu e do de Porto Alegre, assim como no modo de iluminação, através de vidros leitosos iluminados por trás. O prédio por fora não se parece em nada com o de Porto Alegre, mas é bastante legal, vale a visita. No jardim da fundação encontram-se várias esculturas, uma do Richard Serra e outra do Claes Oldenburg, ambas muito boas.

Saimos da fundação e peguemos o Metro em direção as cavas. Único problema é que a estação do Metro em Vila Nova de Gaia fica no topo do morro, então tivemos que descer um enorme desfiladeiro (brincadeira, era só um morrinho). Entramos na primeira, mas só compramos, pois não tinhamos tempo para esperar até a próxima visita guiada. A máquina de cartão de crédito dessa cava estava meio estragada e perdemos um tempão na fila. Tentamos entrar na próxima cava, mas já estavamos ficando atrasado para pegarmos nosso trem. Saimos de lá no primeiro autocarro que passou em direção a uma estação de Metro.

Até então tudo estava dentro do apertado cronograma, mas nada como turistas japoneses que não sabem onde estão, para onde vão e somente uma máquina de venda de bilhetes. Com a demora na fila para comprarmos um passe, perdemos o primeiro metro que passou, só conseguimos embarcar no segundo, já eram mais de 17h. Nosso comboio era as 17h45. Corremos do metro até o hostel para pegar as malas e corremos de volta ao metro. Correr com malas e mochilas não é nada divertido, já estavamos um pouco queimandos no horário, algo como 17h20, e tinhamos que trocar de linha para chegar na estação ferroviária.

Corremos para a outra linha, 17h35, e o horário de saída do comboio chegando. Pavor, vamos perder o trem! Mas não queria pensar nisso no momento. O metro chega um tanto distante da estação de Campanhã (pros grammar nazis de plantão, é assim mesmo que se escreve), corremos até a estação. Cadê a grade com os trens, horários, plataformas? Só havia uma dentro da estação, corro para descobrir a plataforma, 17h43. “Plataforma 8, corre que vamos perder o trem!”, corremos, escadas para baixo, corredor, escadas para cima. No final da escada um senhor avisa para corrermos mais ainda (era uma escada rolante), pulo para dentro do trem. A Lu, ainda gripada, pula pra dentro logo em seguida e em menos de 15 segundos o trem parte. Sorte! Conseguimos pegar o trem, tudo deu certo, mas foi uma correria e tanto.

Viajar de trem é muito bom, pena que na classe turística não tinha tomadas (na classe executiva tem em todas as poltronas), mas consegui ligar o notebook e escrever sobre os últimos 5 dias. Tinha a impressão de que a malha ferroviária de portugal não era muito boa, só com trens lentos, mas estava enganado. Nosso trem fez grande parte do trajeto em constantes 220km/h, nada mal! Também tinha canais de audio e tvs passando algum programa de culinária. Adorei minha primeira viagem de trem, espero que a próxima seja em breve.

Chegamos em Lisboa, conseguimos falar com a Ximenes e pegar a chave da “Caverna”, o apartamento do Lucas e da Alice aqui em Lisboa. Ainda bem que a Ximenes nos aconselhou a pegar um taxi, foram várias lombas acima para chegar na Caverna. Adoramos a caverna logo de cara.

One thought on “Trem

  1. Ae Pedro! Como está a viagem? Não consigo ler tudo que tu escreve, mas é massa que está escrevendo tudo tipo numa forma de diário, assim não esquece dos detalhes depois de algum tempo!
    Abraços e te diverte por ai!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *